CLÉRIO'S HOME PAGE
CLÉRIO JOSÉ BORGES DE SANT´ANNA                                             VOLTAR

ARIBIRI - VILA VELHA - ESPÍRITO SANTO

  • Aribiri é um termo indígena que significa o mesmo que Arabiri, Areberi, ou seja, diminutivo de Árabe, barata pequena, baratinha ou barata d´água. Baratinhas que são encontradas nas pedras que ficam próximas ao mar. O rio Arabiri, depois conhecido como Aribiri deu origem ao nome do bairro.

  • A região já foi um quilombo de escravos e em 1910 foi transformado em povoado, tendo conhecido o progresso a partir da instalação do bonde em 1912, com a inauguração de uma linha de trem que ligava o centro de Vila Velha até o bairro de Paul, sendo a mais rápida via de acesso para quem queria chegar a Vitória. Duas linhas de bonde foram criadas. Uma denominada Paul/Aribiri e outra Vila Velha/Aribiri. Os bondes estimularam a criação de lanchas que ligavam Paul a Vitória pelo canal da baía de Vitória. As lanchas concorriam com os botes dos catraeiros que faziam a travessia da baía.

    Entre 1960 a 1970 é construída a Avenida Jerônimo Monteiro que depois de asfaltada passou a ser o elo de ligação mais rápido que o bonde, com o surgimento dos ônibus, fazendo com que os bondes deixassem de circular por volta de 1975/1976.

    As viagens de bonde eram consideradas maravilhosas já que os vagões eram abertos e possibilitavam apreciar a paisagem, os manguezais e as áreas em pleno crescimento com construções de ambos os lados da linha férrea.

    As famílias mais tradicionais do bairro eram os Vereza e os Lourenço Rodrigues. (Na foto Dona Cecília e seu filho Ronaldo). O Deputado Cláudio Vereza nasceu no bairro. José Rodrigues de Carvalho foi vereador e presidente da Câmara Municipal e residiu e criou seus filhos no bairro, junto com sua esposa, a enfermeira e parteira Cecília Lourenço Rodrigues. O escritor, poeta e trovador, Clério José Borges, Presidente e fundador do Clube dos Trovadores Capixabas, CTC,  nasceu também em Aribiri.

    O Deputado Cláudio Vereza publicou uma Cartinha com a história de Aribiri onde está registrado que as primeiras ruas foram abertas em 1935 e que em 1952 foi instalada a Fábrica de Biscoitos Alcobaça, de propriedade de Ramiro Leal Reis. Consta ainda que em 1973 foi promovida a inauguração do primeiro Orelhão, Posto Médico e a praça Alfredo Aragão.

    No bairro o Campo do Santos Futebol Clube era a opção de lazer da garotada aos sábados e domingos. Partidas do Campeonato Capixaba eram disputadas no Campo do Santos, um time cuja sede era em Paul mas o campo em Aribiri. César Rizzo, Francisco de Oliveira Neto, o Cartola eram alguns radialistas que vinham transmitir as partidas de futebol pelas Rádios Espírito Santo e Vitória. Os times do Rio Branco; Vitória e Santo Antônio jogavam no Campo do Santos em Aribiri. Um dos primeiros jogos da Associação Atlética Desportiva Ferroviária da Vale do Rio Doce, hoje Desportiva Capixaba, foi realizado no Campo dos Santos em Aribiri. A Desportiva foi criada em 17 de junho de 1963 a partir da união de vários times de funcionários da Companhia Vale do Rio Doce que existiam na ocasião.

    O time do bairro era o América, cuja sede era na residência de uma família tradicional do bairro na Rua São Luiz. No primeiro Campeonato Capixaba, em 1917, sagrou-se Campeão o time do América, de Aribiri, Aribiri que é um bairro tradicional do Município de Vila Velha e que teve no América uma referência durante muitos anos, inclusive após não conseguir se manter no grupo de Elite do Futebol Capixaba, passou a disputar campeonatos amadores, sempre com destaque, pela qualidade de seus atletas, sempre do próprio Bairro ou de Bairros próximos, como o Ibes, Ataíde, Santa Mônica, Santa Inês e outros.

    A rivalidade dos jovens de Aribiri com os jovens do bairro do IBES, Instituto Bem Estar Social, era característico de uma época em que cada grupo de jovens  procurava disputar o seu próprio espaço.

    Aribiri do mangue que um dia inventaram de fazer uma praia, colocando areia branca numa área por detrás do Morro dos Vereza e em frente a ilha de Vitória.

    Aribiri das “poncas” (caronas) no bonde. Do “Cabeção” (Sr. João Simões, foto, que morava no bairro Ataíde), que como cobrador que não deixava ninguém dar “colote” (viajar sem pagar) a passagem. Aribiri da “Convertidora”, como era conhecida a Oficina de conserto de bondes que havia na parte detrás da Estação. Aribiri dos piques-salva. Das fritadas de bundinha de Tamajura. Aribiri de dona Lyra; do Lico; do Ronaldo; Das quadrilhas das festas juninas no quintal da Casa da família Vereza; Aribiri dos Campeonato de Jogos de Botão; Aribiri do Bebeto e de Luizinho; Aribiri do Borlote e de tantos outros que hoje se orgulham daquele pedacinho de chão tão belo e precioso.

    (TEXTO DE CLÉRIO JOSÉ BORGES. NASCIDO EM ARIBIRI)


    Na Internet encontramos um texto sobre ARIBIRI que possui algumas inverdades.
    Vejamos
    A denominação Aribiri vem do rio do mesmo nome. O rio, que é um braço de mar, tem sua foz perto do Penedo, na baía de Vitória. Ali existe um grande manguezal. A palavra Aribiri vem da língua tupi. Para uns ela quer dizer barata pequena, devido à grande quantidade de baratinhas existentes nas pedras do rio. Para outros, significa sardinha, ou ainda peixe pequeno, que se encontravam nas águas do rio. INVERDADE. Onde já se viu Sardinha em água doce do rio. Continuando o Texto: Aribiri começou a ser um bairro residencial graças aos bondes. MENTIRA. ARIBIRI COMEÇOU A SER POVOADO EM 1910. OS BONDES SÓ APARECERAM EM 1912. Era principalmente de bonde que os seus moradores iam para Vila Velha ou para Paul, de onde passavam a Vitória. Quando os bondes acabaram, a estrada de rodagem se tornou o principal meio de ligação entre Aribiri e as outras partes de Vila Velha. Ônibus e outros veículos motorizados passaram a ser usados pelos moradores do bairro. A estrada Jerônimo Monteiro e a avenida Carlos Lindenberg adquiriram importância crescente para Aribiri. O bairro transformou-se. Entre a foz do rio Aribiri e o morro do Penedo foi construído um terminal portuário. Através dele importam-se e exportam-se vários produtos. Em seu cais atracam navios com até 250 metros de comprimento. Nessa região localizam-se também o parque ecológico Espera-Maré ou parque Morro da Mantegueira.

    Fonte: Vila Velha: Nosso Município Autores: Luiz Guilherme Santos Neves/ Léa Brígida Rocha de Alvarenga Rosa/ Renato José Costa Pacheco Vitória – 2003



    OBSERVAÇÃO: Permitimos a livre reprodução do conteúdo e agradecemos a citação da fonte com a inclusão de nosso link, se possível.

    Fonte de Pesquisa:
    Borges, Clério José - Livro História da Serra, 1a. 2a. e 3a Edição - 1998, 2003 e 2009 - Editora Canela Verde - À Venda na Livraria Doce Saber, Laranjeiras, Serra ES - Tel.: 27 - 32 81 24 89

    Borges, Clério José - Livro Dicionário Regional de Gírias e Jargões - 2010 - Editora Canela Verde - À Venda na Livraria Doce Saber, Laranjeiras, Serra ES - Tel.: 27 - 32 81 24 89





    VOLTAR


    Copyright © 2000 - 2012 - All Rights Reserved: CJBS